As limitações do COVID-19 mostraram que estamos coletivamente dispostes à fazer mudanças drásticas em nosso estilo de vida para salvar vidas humanas. É importante ver que estamos preparades para fazer grandes mudanças em nosso modo de vida quando muitas vidas humanas estão em jogo.

Isso nos diz algo muito importante sobre o veganismo. Na verdade, isso nos diz que nós – nós como um coletivo, uma comunidade política, uma sociedade global – devemos ser veganes, ou pelo menos fazer todos os esforços para fazer a transição para dietas baseadas em vegetais.

Diante disso, pode parecer haver pouca relação entre o veganismo e o COVID-19. O vírus não é transmitido pela ingestão de produtos de origem animal e não há razão para acreditar que os veganes tenham menor probabilidade de contraí-lo. No entanto, existem dois sentidos importantes nos quais COVID-19 está claramente relacionado ao veganismo.

A primeira é que o COVID-19 originou-se, até onde podemos dizer, de um chamado ‘Wet Market’, onde os animais são mantidos e abatidos para alimentação. Esses ambientes, como fazendas industriais, são os principais criadouros de doenças zoonóticas. Essas são doenças – como COVID-19, SARS, gripe aviária, gripe suína e muito mais – que passam de animais não humanos para humanos.

Claro, que esses criadouros e as fazendas industriais não existiriam se o mundo inteiro fosse vegano. Esse ponto crucial está sendo reconhecido, embora às vezes apenas com relutância, pela imprensa. No entanto, essa ligação entre o veganismo e o COVID-19 está sendo feita por ativistas e acadêmicos em um número crescente.

No início de Março – alguns dias antes da primeira morte do COVID-19 no Reino Unido – os filósofos veganos Paolo Cavalieri e Peter Singer pediram uma proibição global dos Wet Markets. ‘Para os animais, esses espaços são o inferno na terra’ – e, como COVID-19 (e outras doenças zoonóticas mostram), esses lugares também podem ser terríveis para os humanos. A proibição deles, então, é uma chance de beneficiar humanos e animais.

Na segunda-feira de Páscoa, David Benatar, um filósofo (e vegano) sul-africano, publicou uma coluna no New York Times intitulada ‘Nosso tratamento cruel de animais levaram ao Coronavírus’, na qual ele discutiu como poderíamos ter evitado COVID-19, e como podemos prevenir surtos semelhantes no futuro. Ele argumentou que

A prevenção real requer medidas para minimizar as chances de o vírus ou outros agentes infecciosos emergirem. Uma das várias medidas cruciais seria uma avaliação mais inteligente – e mais compassiva – de nosso tratamento de animais não humanos e ação concomitante.

David Benatar
Ser Vegane é um ato de amor para consigo, o mundo e os demais.

Cavalieri, Singer e Benatar estão apontando para este primeiro elo entre COVID-19 e o veganismo: Se fôssemos todos veganos, não haveria os Wet Markets ou fazendas industriais de onde os vírus pudessem emergir.

Isso não significa necessariamente, que não haveria pandemias. As crises de saúde podem surgir de outras áreas de contato humano-animal, ou surgir de formas completamente não relacionadas aos animais. Mas há todas as razões para acreditar que um mundo vegano seria um com muito menos pandemias – e quase certamente seria um sem COVID-19.

Existe outra ligação entre o veganismo e o COVID-19, e uma ligação menos amplamente reconhecida. As mudanças geradas pelo de COVID-19 em todo o mundo, nos mostram que, quando milhares de vidas humanas estão em jogo, estamos coletivamente dispostes a fazer mudanças drásticas em nosso estilo de vida, afetando nossas atividades do dia-a-dia, nossa economia, nossos sistemas de educação e muito mais.

Talvez devêssemos estar dispostos a fazer outra mudança coletiva em nossas vidas diárias. Talvez devêssemos, como sociedade, como comunidade global, fazer a transição das dietas contendo produtos animais para o veganismo.

Esta mudança em direção ao veganismo – como aconteceu com o COVID-19 – tem o potencial de salvar muitas, muitas vidas humanas. Em primeiro lugar, reduzirá drasticamente a ameaça de futuras pandemias, conforme discutido acima. Mas, em segundo lugar, reduzirá drasticamente a ameaça de outras crises de saúde humana associadas à pecuária, como a resistência aos antibióticos. Aqui está Benatar novamente:

Além de futuras pandemias, enfrentamos o risco muito real de desenvolver resistência aos antibióticos. O principal contribuinte para isso é o uso de antibióticos na indústria da pecuária, como um promotor de crescimento (para trazer os animais ao peso de abate o mais rápido possível) e para conter a propagação de infecções entre os animais criados em condições intensas e cruéis de “criação industrial” . … É inteiramente possível que o futuro humano envolva um retorno à era pré-antibióticos, na qual as pessoas morreram em massa de infecções que foram tratadas com eficácia desde a descoberta da penicilina e de outros agentes antibacterianos iniciais. … Nós, como espécie, conhecemos esse problema, mas ainda não fizemos o que precisa ser feito para evitá-lo (ou pelo menos minimizar as chances de acontecer).

David Benatar

A pecuária também é muito ruim para o meio ambiente, e isso revela um terceiro conjunto de razões pelas quais uma mudança para o veganismo salvará vidas humanas. Tome os gases de efeito estufa como exemplo. As emissões de gases de efeito estufa estão contribuindo para a crise climática global, que irá devastar vidas humanas. Um estudo de 2014 liderado por Peter Scarborough – um especialista em saúde populacional da Universidade de Oxford – descobriu que, no Reino Unido, a dieta de um adulte carnívore típico do Reino Unido (classificado no estudo como uma dieta rica em carne) resultou em emissões de gases de efeito estufa 2,5 vezes maiores que as de um vegane típico do Reino Unido.

Já sabemos que podemos agir coletivamente para o bem maior de todes. Que tal começarmos hoje a transição para um mundo vegane?

Portanto, os gases de efeito estufa são muito ruins para o meio ambiente e, portanto, muito ruins para os humanos. Enquanto isso, as dietas não veganas estão associadas a emissões muito altas de gases de efeito estufa. Portanto, não é surpresa que uma mudança para uma dieta vegana possa salvar muitos milhões de vidas humanas nas próximas décadas devido ao impacto ambiental positivo. Um estudo de 2016, liderado por Marco Springmann (outro especialista em saúde populacional em Oxford) descobriu que uma mudança mundial para dietas baseadas em vegetais poderia resultar em até 70% menos emissões de gases de efeito estufa relacionadas aos alimentos até 2050. Esta redução das emissões, combinado com a melhoria da salubridade das dietas (um quarto motivo pelo qual uma mudança para o veganismo salvará vidas), poderia resultar – segundo os autores do estudo – em mortalidade até 10% menor por ano em 2050. Os autores concluíram que o benefício econômico dessa taxa de mortalidade mais baixa pode chegar a US $ 31 trilhões por ano – ou até 13% do produto interno bruto global.

Tudo isso mostra quantas vidas humanas estão em jogo nas decisões coletivas que tomamos sobre o que devemos ou não comer. E esta é uma decisão coletiva. Esta não é apenas uma decisão individual sobre o que colocamos em nossas bocas – é uma decisão coletiva e política que tem impactos enormes na saúde da população, nas taxas de mortalidade e na economia.

Coletivamente, nos mostramos dispostes a fazer mudanças drásticas em nosso estilo de vida para salvar vidas humanas em resposta ao COVID-19. Porque não, também estar dispostes a fazer a mudança muito menos drástica de abandonar os alimentos de origem animal e adotar dietas à base de vegetais para salvar vidas humanas? E não apenas vidas humanas. Uma mudança generalizada para o veganismo poderia, como mostrado, salvar muitos milhões de vidas humanas, mas também salvaria incontáveis trilhões de animais. O que estamos esperando?

Aqui no Lar Vegan, temos a missão de levar a voz do Veganismo para mais e mais pessoas, com o intuito de abrir as mentes para essa necessidade coletiva de uma mudança.

Já sabemos, com essa experiência do COVID19, que unides, podemos tomar decisões de mudança coletiva para o bem de todes, e salvar vidas. Só falta mesmo começar. Hoje! Agora!

Não sabe por onde começar? Temos aqui em nosso site, conteúdos que educam e mostram novos modelos de viver para te auxilair nesse início de jornada.

E se você ainda acredita que ser Vegane é comer comida sem graça e sem sabor, vem nos visitar e provar algumas de nossas opções. Temos além do almoço diário, num Buffet repleto de opções, salgados congelados, marmitas fitness, bolos, pizzas, etc.

Ser Vegane é um estilo de vida delicioso e que, não coloca somente mais saúde na tua vida, mas contribui também para salvar vidas humanas.

Siga nosso Blog e nossas mídias sociais para mais informações sobre veganismo além de opções deliciosas todos os dias em nosso espaço.

Texto original: The Vegan Society (https://www.vegansociety.com/news/blog/veganism-and-covid-19)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *